Uma sessão por semana

4-Os-Excêntricos-Tenenbaums-2001

Johnny, eu queria te falar que não tenho nada do que reclamar.
Que a vida é uma experiência psicodélica de gratidão sem fim, que eu beijo unicórnios todas as noites e que o ar que eu respiro tem as cores do arco-íris.
Mas não é bem assim, e seria pra você, Johnny? Eu duvido que seria.
Mas não é sobre você, é sobre mim, certo?
Então, vamos lá.
Eu acordo todas as manhãs sem despertador porque o despertador sempre me deixou enfurecida, sendo assim, me programo pra acordar. Tem funcionado há anos, não pretendo mudar.
Tomo café preto, às vezes tão sonolenta que nem sinto que estou tomando, não gosto de café, de vez em quando troco por suco de laranja, não faço chá, não tenho paciência de esperar pela manhã a água ferver, esperar o chá entrar em fusão, esperar esfriar, e aí tomar o chá, mas prefiro chá, olha que coisa. Chá de erva-doce, chá de erva-cidreira.
Eu gosto de tomar banho de manhã, e ouvir música, gosto da música num som suficientemente alto para que eu possa ouvir por toda a casa, só eu, a música e minha gata em passos lentos, do quarto para a cozinha, da cozinha para o banheiro e do banheiro para o quarto.
E eu falo sozinha, imagino conversas que nunca acontecerão, e torço pra que elas aconteçam de um jeito meio apaixonado eu diria, mas tudo bem se não acontecer. A vida é um susto quase o tempo inteiro. A gente planeja, inventa rotas, e sai tudo diferente, nada é como esperado, até esse momento, você não acha? Eu aqui, falando sem parar, te contando coisas que não farão a menor diferença pra você.
Eu gosto de ouvir músicas tristes, e não é porque eu sou uma pessoa triste, eu não sou. Acho que minha risada é uma das coisas mais alegres, sem dúvida, mas as músicas tristes me fazem pensar,  pensar é bom.
Tem noção do quanto eu já devo ter sido idiota, Johnny?
Eu tenho.
E fui idiota pra não ser idiota, aí é que mora a ironia.
A gente é besta.
De que adiantou me proteger de coisas que eu não fazia a menor ideia se aconteceriam, tava tudo na minha cabeça. Um amigo disse pra eu ficar tranquila, que eu ainda vou ter muita oportunidade pra ser idiota, que não fiz nada de grave até agora, mas sabe como é? É difícil olhar pra trás e me ver como naquela cena do Leonardo DiCaprio em que ele joga dinheiro de cima do Iate no filme O Lobo de Wall Street, eu não joguei dinheiro, mas joguei tanta coisa… Você já deve ter feito isso, você é humano, Johnny. Humanos tem essa coisa de errar achando que estão acertando.
Mas é isso, não é? Tá tudo bem, é o que você vai me dizer, que está tudo bem.
E eu sou tão boba, mas tão boba, que eu acredito, e te entrego meu sorriso mais largo, porque apesar da vida não ser feita de unicórnios e arco-íris, ela é boa, é muito boa, Johnny. E olha que eu tenho chorado um tanto, e mesmo assim, acredito nisso.