pra mim

pra mim

Fosse o céu de outra cor que não fosse azul, e tivesse o mar a calmaria de um lago, não seria o céu um céu, não seria o mar um mar.
São assim meus feitos, meu jeito, minha forma. Não seria eu se fosse diferente do que sou.
Mesmo que vez ou outra eu queira sim ser o avesso do que sou, não há o que fazer, aceito a forma que tem. Se é de sentir em demasia, que assim seja. Se é de chorar até molhar a face e as palmas das mãos, que assim seja. Se é de rir até criar vincos nas bochechas, que assim seja também.
Se é pra amar sem ter certeza alguma, que ame, e ame mais até que eu e o amor sejamos uma coisa só. E quando existir dúvida sobre quem sou e sobre o que me tornei, que eu consiga enxergar que eu e o amor somos uma coisa só. Não haverá razão que vá me fazer querer ser diferente quando tiver no peito a certeza do que sou, mesmo com dor, se houver amor.

Existe um despertar

52bff528d4eb103fcb07ec24ee2f48dc.jpg

Existe um despertar.
Um relacionamento abusivo é como um sono profundo, e nesse sono profundo eu me sentia presa num pesadelo, que em alguns momentos parecia um sonho maravilhoso. É extremamente instável.
É um sono pesado que não é reparador.
Mas existe um despertar.

E é por isso que eu sou grata pelos dois relacionamentos abusivos que eu tive.
Ambos me ensinaram a urgência que eu tinha em aprender a me amar, a me aceitar. Ambos me colocaram na ponta da prancha, me fizeram saltar direto para o meu processo de autoconhecimento. Um processo longo e contínuo. Eu caí direto num vazio que tinha meu nome e sobrenome.

O que eu posso dizer é que tive sorte.
No momento em que eu achei que estava só, me afundando na escuridão, meus amigos esticaram suas mãos, me tiraram de lá a força. Todos eles esfregaram na minha cara a importância que eu tinha pra eles, e como era importante eu enxergar minha própria importância. Eu não saí dessa sozinha.

Reafirmei meu gosto musical, fiz maratonas de filmes em casa e no cinema, andei de bicicleta por quase todos os cantos da zona sul de São Paulo, fui a shows sozinha e acompanhada, fiz e tenho feito tudo que eu sempre tive vontade de fazer, me soltei das amarras, comecei a perceber que altruísmo é lindo, mas não no amor romântico, no que se trata de um casal, é necessário uma troca justa, é preciso amar e ser amado.
E mesmo numa situação casual, ambos precisam se sentir valorizados.

Hoje eu sou capaz de reconhecer meu valor.
Hoje eu consigo olhar pra mim e entender que existe uma mina incrível dentro desses olhos.
Hoje eu me amo o suficiente pra saber quando alguém me trata mal, quando não estão me dando o devido valor, hoje eu tenho a força que eu não tinha antes, a força que teria me feito levantar com dois pés firmes até a porta e dizer , “ok, vá à merda, não preciso disso”.

Então, se você acha que está num relacionamento abusivo, ou se você acabou de sair de um relacionamento assim, saiba que existe um despertar, e há algo lindo dentro de você. Você só precisa deixar isso sair, e não deixe que ninguém mais te tranque.

Hoje eu não sou mais quem eu era antes, e a menina que eu era com certeza tem um puta orgulho da mulher em que me transformei. E não há passos para trás, agora o caminho é pra frente, e a vida é maravilhosa demais pra ser feita só de histórias tristes.
Agora que eu me encontrei, eu não quero me perder nunca mais.

Aqui está o melhor conteúdo sobre o tema: