Turma A – Manhã

É bom ter um amigo de infância, alguém pra quem você olha e ainda vê uma criança. Ao ver a criança no outro, acho que consigo ver também a criança em mim.
Tenho um amigo assim.
De tempos em tempos a gente se fala.
Esses dias ele me perguntou se eu tenho saudades daquela época.
Pensei, procurei em todos os cantos algum vest´´ígio de saudade dentro de mim.
Não achei.
Ele me disse que tem saudade de algumas pessoas.
Isso eu não falei pra ele, mas deveria ter dito: Eu sei que não tenho saudades, porque pra mim saudade é revisitar na memória um tempo e espaço, é tentar reviver os caminhos, ouvir de novo uma voz…
De lá, me restou pouca coisa pra querer viver de novo.
Talvez, considerando meus motivos pra não ter saudade, a melhor coisa que eu posso ter tido foi sorte em ter conhecido pessoas como ele.
Não tenho saudade, mas tenho sorte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s