Não tem como saber

Como aquela taça de vinho que eu não tomei. A taça que se tivesse olhos teria atravessado a menina dos meus olhos e enxergado a única verdade que eu não disse.

Como aquele bar que eu só vi do lado de fora, fiquei parada na calçada pensando se era realmente pra eu estar ali. A calçada e eu, melhores amigas.

Como os sapatos que eu tirei pra dançar as músicas do Tim Maia e as meias finas que tocaram o chão. Talvez elas tenham acreditado que vestiam as pernas de uma dançarina.

Como um sorriso que se dá ao dizer tchau e perceber que ninguém desligou o telefone.

Como quando se olha pra porta, a mesma porta de todos os dias, e por ela ver um beija-flor azul.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s