Sim

Dizem que quando a gente começa a dizer sim as coisas melhoram. A Yoko disse isso.
Vi a exposição dela no Tomie Ohtake e tocou meu coração.
Lembro que subi uma escada e no teto tinha uma lupa pendurada.
De saia de bolinhas, calçando um par de All Star brancos, no topo da escada peguei a lupa e li aquela palavra diminuta que a olho nu parecia um inseto morto no teto.
A lupa me fez enxergar o sim. Era um SIM.
Meu sim é assim. Meu sim tem medo, fala baixinho pra ser confundido com um não, com um talvez, fica a sorte de quem ouve. Meu sim que eu guardo e solto apenas quando tô muito confiante, muito alegre, quando já bebi um gim talvez.
Meu sim vem todo machucado e cheio de poréns.

Dizer sim não é fácil. É bom. Mas não é fácil.
O sim me tira da cama de manhã, me faz pegar um ônibus lotado todos os dias, o sim me faz engolir o orgulho e seguir em frente apesar de tudo, também me faz encontrar amigos numa terça-feira chuvosa, o sim fez com que eu me apaixonasse algumas vezes, o sim também partiu meu coração.
O sim já me fez mudar o corte de cabelo e me impor na frente de pessoas tão duras, e eu tão pequena, cresci. O sim me assusta tanto porque ele não é garantia de nada.
Ele só me diz que eu vou viver.
Meu não me deixa na cama. É isso que ele faz.
O sim pode até me machucar, mas eu acho que é o que a Yoko disse, o sim melhora a minha vida.

E a passos curtos, um dia não vou precisar de lupa, um dia meu sim vai ser tão grande que ele vai falar por mim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s