Calhordas

E eu que pensei que os calhordas que conheci não me serviriam pra nada.
Agora os reconheço, olhos nos olhos de pupilas dilatadas, a cada mentira solta dos lábios, e dos meus lábios o riso, o riso de quem os entende como uma língua fluente e que sabe que neste golpe não cai mais.
De certa forma, amo meus calhordas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s