Sobre o amor e suas dores


Toda vez que eu abro meu coração, toda vez que eu me permito sentir algo e deixo alguém entrar na minha vida, algo dói, algo fica ferido dentro de mim, eu nunca saí ilesa, e acho que nunca vou sair. Talvez amar também seja sobre ficar vulnerável.

Amar talvez seja isso, um parto. Algo que faz nascer, que traz vida e luz, mas não sem antes me fazer gritar, sentir com todos os músculos a dor de partir, de ser deixada, de ser dois, e em algum momento voltar a ser um só.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s